RECOMENDAMOS

RECOMENDAMOS
Encontro de Casais

QUEM SOMOS

Semear é um projeto abençoado que através da palavra de Deus busca transformar vidas, restaurar casamentos e salvar famílias.
Tecnologia do Blogger.
Ocorreu um erro neste gadget

Caixa de Recados

PARA MEDITAR

“A mulher sábia edifica a sua casa, mas a insensata, com as próprias mãos, a derriba.” (Provérbios 14.1).

VIDEOTECA SEMEAR

Prova de Fogo
A Virada
A filha do Pastor

Visite-nos no ORKUT

liuanjos@hotmail.com
terça-feira, 25 de janeiro de 2011
Corrigir não é uma tarefa fácil, e menos ainda quando seus filhos são adolescentes: porque o adolescente julga tudo, critica e muitas vezes rejeita as correções de seus pais como se isso fosse uma interferência em sua vida.

Entretanto, os pais têm o dever de corrigir. De ajudar o filho a corrigir seus defeitos e
descobrir a riquesa de sua forma de ser e entender as coisas. Porém, para que a crítica na
família seja positiva convém adotar uma série de regras:

- Em primeiro lugar, a crítica e a correção devem combinar-se com o uso freqüente de elogios.

Quer dizer, deve-se ser capaz de ver também o que o seu filho faz bem e dize-lo. Por mais
desastrado que lhe pareça seu filho, tenha certeza de que ele também tem valores positivos os quais você deve esforçar-se por reconhecer.

- Além disso é necessário corrigir com muito carinho. Para isso a crítica deve ser serena e bem ponderada, sem precipitações e sem uma paixão excessiva. Cuidadosa, sem ironia, sem sarcasmo, como se estive corrigindo um amigo.

- Em terceiro lugar, quando for corrigir seu filho adolescente deve-se examinar previamente se você não é em parte responsável por aquilo que pretende corrigir. Quando alguém se esforça por reconhecer sua própria culpa é mais fácil que o jovem veja em nosso conselho como sendo uma ajuda e não como uma acusação.

- Não se deve tentar atacar todos os defeitos de uma só vez. Será necessário corrigir pouco a pouco, e a sós, já que corrigir em público pode parecer uma humilhação. Sem fazer comparações com seus irmãos, seus primos ou outras pessoas, pois ele é ele e também tem suas virtudes.

- Deve-se ser prudente e não julgar sem escutar os argumentos do jovem. Como nas leis, o bem deve ser suposto e o mal deve ser provado. Em um clima de confiança, mesmo correndo-se o risco que o enganem. Escolhendo bem o momento para corrigi-lo e quando ambos estão suficientemente tranqüilos para falar e para escutar. Pondo-se em seu lugar e tentando compreender suas razões.

- E além disso: não há nada mais negativo do que usar frases do tipo "Você NUNCA me escuta", "SEMPRE está aborrecido", "NUNCA entende nada".. Além de negativas, asseguro-lhe que não são corretas. A correção deve ser específica e concreta: sem exageros, sem generalizações, sem mostrar uma "lista de defeitos" na primeira ocasião.

- Finalmente, deve-se saber perdoar e confiar em seu filho, dando-lhe tempo para melhorar e oportunidade de corrigir-se.

Por: Teresa Artola González

Do livro "Como resolver situações cotidianas de seus filhos adolescentes", Editorial Palabra, Madrid, 2.000
Fonte: Edufam (www.edufam.net)

0 comentários:

Postar um comentário