RECOMENDAMOS

RECOMENDAMOS
Encontro de Casais

QUEM SOMOS

Semear é um projeto abençoado que através da palavra de Deus busca transformar vidas, restaurar casamentos e salvar famílias.
Tecnologia do Blogger.
Ocorreu um erro neste gadget

Caixa de Recados

PARA MEDITAR

“A mulher sábia edifica a sua casa, mas a insensata, com as próprias mãos, a derriba.” (Provérbios 14.1).

VIDEOTECA SEMEAR

Prova de Fogo
A Virada
A filha do Pastor

Visite-nos no ORKUT

liuanjos@hotmail.com
domingo, 15 de agosto de 2010
Ct 2:12 “Aparecem as flores na terra, o tempo de cantar chega…”

Durante a vida um casal passa por períodos de tempo marcantes para os dois. Alguns ilustram como as quatro estações do amor, ou seja, inverno, primavera, verão e outono. O inverno é um período difícil, tempo de sequidão romântica. Na primavera aparecem as flores, é tempo de o amor acontecer, mas depois vem o verão, tempo de construir, buscar luz no relacionamento e por fim chega o outono , tempo de usufruir, desfrutar gostosamente da relação.


Outro dia lendo a respeito, um casal dizia que estava vivendo como irmãos, eles já não tinham mais aquela sede por sexo, simplesmente gostavam de estar juntos, porém, não iam além disso.

Não havia nada tão desastroso, não. Eles se amavam, mas havia agora, uma dúvida. Eles não sabiam que tipo de amor que estavam vivendo, se era amor fileo ou storge. Eles só tinham uma certeza, não era o amor Eros que estava ali.

E eles viam nisso algo terrível, inimaginável. Viver sem sexo seria impossível na concepção deles, então, discutiam uma separação amigável e não traumática, como se isso fosse possível.

Olha, o sexo é uma delícia realmente, faz bem para a saúde relacional, mas não é a única coisa boa presente na vida de um casal.

Há outras necessidades que são num casamento supridas, há outras alegrias. Não se pode fazer do sexo a única fonte de prazer para os dois, não.

Há prazeres quem sabe ainda mais sublimes, como a construção de um lar. E mais, ter alguém com quem se pode contar, criar filhos, pertencer, ser aceito, é fascinante demais.

E afinal, que mal há em si viver por um período como irmãos. Seria o sexo a essência de um casamento? Penso que não.

Ademais, é para esses momentos da relação que existe algo chamado “comprometimento”, que é estar decididamente envolvido com o outro.

É amar com amor ágape, perfeito, que espera, que tudo suporta, tudo crê, que não se desespera, não se irrita, nem se ressente do mal.

Um casamento assim é aquela casa que Jesus falou que o vento e as águas dariam contra ela, porém, ela resistiria.

Estar compromissado um com o outro é alicerce que mantém a casa em pé, ainda que venham tempos ruins.

E realmente há tempos que parece que a estrada da nossa vida só tem subida, mas estando presente o pacto, então, eles esperam juntos pela descida, pelo momento bom.

Uma escritora comentou em um dos seus livros sobre relacionamento conjugal, que um casal de velhos completava bodas de diamante, 60 anos juntos e alguém perguntou a ela se nunca teve vontade de largar dele por algum motivo, ao que respondeu que houve momentos em que teve vontade de esganá-lo, de matá-lo mesmo. Mas a pessoa insistiu na questão de uma separação, e ela respondeu: “A separação não era uma das opções, não era uma das possibilidades.” Isso é compromisso, comprometimento, empenho de uma palavra. Diferentemente de casais modernos que ao menor impasse, optam por uma separação.

Quando alguma coisa está falhando, em falta, aí é que entra o poder de uma aliança, deste pacto que dá sustentação ao casal na hora do aperto, da dúvida e das alterações.

Vejo o exemplo de um marido especial, cuja mulher se chama Israel, a nação, e o marido é o Senhor Deus. E Ele faz-lhe uma promessa:

Os 2:19 “E desposar-te-ei comigo para sempre: desposar-te-ei comigo em justiça, e em juízo, e em benignidade, e em misericórdias.”

Aqui ele se compromete na relação e diz os termos da aliança. Ela será primeiramente, para sempre, por toda a existência, depois em justiça e retidão, bondade e misericórdia.

Será que ele não previu que haveria tempos difíceis, tempos em que a sua mulher Israel não mereceria do seu amor? Certamente que Ele sabia de tudo isto, mas um pacto existe mesmo para possibilitar a continuidade de uma relação durante os tempos difíceis.

Ele o Senhor, despreza o quebrar de uma promessa feita, conforme se verifica em

Ml 2:14 E dizeis: Por que? porque o Senhor foi testemunha entre ti e a mulher da tua mocidade, com a qual tu foste desleal, sendo ela a tua companheira, e a mulher do teu concerto.

Então é isso, o casamento não pode ser idealizado como uma relação perfeita, sem trancos e sobressaltos, não. A realidade mostra que não é assim, mas em havendo firmeza de propósito, o tempo de paz chegará de novo. Novamente o casal irá se apaixonar e outra vez eles irão caminhar na mesma direção, é só esperar passar o inverno, pois a primavera sempre chega.

É possível o amor eros renascer.Deus pode fazê-lo, e o casal pode contribuir para isso. Mas como ? Voltando a namorar, ainda que, inicialmente, pareça que não está dando certo, mas calma, a primavera está chegando e com ela, as flores, alegria.

Pr Ismael e Pra.Cleire

0 comentários:

Postar um comentário